Ocorreu um erro neste gadget

sexta-feira, 25 de março de 2011

Doces Receitas


Olá, amigos! O que pretendo com este blog? Postar regularmente as doces receitas da pesquisa que fiz para construir o livro "O Ponto do Doce". São receitas antigas, que começam em 1890 e vão até 1980, da coleção de 18 cadernos manuscritos, todos de localidades no Estado de São Paulo.

Para publicá-las no blog é necessário testar, já que a maioria menciona medidas fora do padrão atual, como libra, quarta etc. Esta é a minha proposta: testar uma das receitas por mês e publicá-la com as medidas atualizadas e minha opinião sobre seu desenvolvimento e resultado.

Começo em março de 2011. A receita que escolhi é do Bolo Imperatriz, retirada do caderno nº 3, de 1907, e que se encontra na página 94 do livro em seu texto original. Interessante é o tipo de balança, de 2 pratos, sendo o peso dos ovos a base da proporção entre os ingredientes.

Faço aqui um parêntese para explicar porque a selecionei. Considerando a época, início do Século XX, ela é genial, pois a proporção dos ingredientes se mantém inalterada, mesmo com a variação do tamanho/peso dos ovos, que eram provenientes das galinhas do quintal, portanto, sem padronização.





Na falta de uma balança de 2 pratos, usei a minha da cozinha,
de 1 prato, na qual pesei 6 ovos = 400g










Coloquei o mesmo peso em açúcar = 400g












Retirei 1 ovo = 50g e coloquei o peso resultante
em manteiga = 350g








Seguindo a ordem da receita - como para pão-de-ló, bati as claras em neve e reservei. Bati as gemas com o açúcar e depois com a manteiga, até esbranquiçar. Por último, coloquei a farinha peneirada = 350g, junto com aproximadamente 1 colher de café de canela em pó e cravo moído.











Neste ponto, como a quantidade de massa é grande, coloquei 1 colher de sopa de fermento em pó (que não constava da receita).










... e adorei o resultado! O bolo cresceu, ficou com quase 10cm
de altura e dourado.










A textura, aerada. E o sabor denunciando a mistura de canela e cravo!







No entanto, como alterei a receita colocando fermento, preparei outro bolo seguindo rigorosamente o original, que segue em outra postagem.


5 comentários:

  1. Dalva, achei o máximo a sua inciativa, o livro merece a degustação.
    Gostei do passo a passo com fotos e comentários, dá vontade de provar o resultado!
    Bjo e ótimas receitas.
    Pati

    ResponderExcluir
  2. Olá Dalva, então estás aventurando em mais uma grande viagem....
    Desejo muito sucesso!
    O tema do livro é bastante sugestivo.
    Parabéns!!!
    vou visitar sempre para saber das coisas deliciosas que surgirão.
    beijos
    Regina (Cesprom)

    ResponderExcluir
  3. Olá Dalva,

    Adoro livros manuscritos de culinária! Quanto mais antigos melhor! Eu sou de Portugal e por acaso ontem comprei uns cadernos de culinária manuscritos num alfarrabista e um deles é de origem brasileira :)
    Onde adquiriu os seus? Herança de família ou também comprou?
    Bons testes!

    Beijinhos

    Carmen

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Carmen. Que prazer ter na minha lista de visitantes uma portuguesa. Nossas receitas no Brasil têm muito a ver com a história da colonização, de fortes raízes em Portugal.
      A coleção que estudei pertence ao acervo do antigo Museu de Folclore Rossini Tavares de Lima, onde me formei em folclore e cultura popular brasileira. Hoje esse acervo pertence à Secretaria Municipal de Cultura e está abrigado no Pavilhão das Culturas Brasileiras, que fica no Parque Ibirapuera. Com esses dados você poderá fazer uma visita virtual ao espaço.
      Tenho comigo uma cópia digital, já que os cadernos precisaram ser restaurados para devolução e enquanto estavam desmontados fiz a cópia para poder continuar meu projeto do blog.
      Um abraço bem brasileiro da
      Dalva

      Excluir